Não seria justo, da minha parte, se deixasse este Governo caminhar sossegado, tendo ele o mesmo procedimento que teve o Governo de José Sócrates. Aqui, a única diferença que vejo entre o Governo de José Sócrates e o Governo de Passos Coelho, é que o Passos encontrou o país de pantanas e o Sócrates concorreu, imenso, para que ele assim ficasse!

 

Sobre o Sócrates e os seus governos de tanga, acho que já tudo foi dito. Eu não fui anti-socialista mas sim, anti-Sócrates. Neste momento e devido à tristeza em que encontrou o país, ainda não consegui ser tão anti-Passos mas, reconheço que o Passos, tanto andou, tanto andou, que até se queimou! Neste momento do nosso campeonato político, o Passos Coelho não está a fazer nada do que, ele e o seu grupo, prometeram aos portugueses! O Passos Coelho é o chefe dos "gajos"! Ele chegou mesmo a dizer, em plena campanha eleitoral que os "gajos" não mandavam e que quem mandava era ele! Isto a propósito das contradições das promessas!

 

Meus amigos, isto não pode ser assim! Não se pode brincar às políticas. Isto que digo para os politiqueiros portugueses, serve também para os politiqueiros europeus. Serve para as madames e os cavalheiros, se é que há pela Europa, gente que merece esse epíteto de madames e cavalheiros. Sim, porque, os que eu vejo cirandar pelas câmaras das TV's, não passam de uma cambada de tansos! São tansos eles e são tansos os capitalistas doentes que usam o capital para brincar com gente séria e, para mim, gente séria é a gente que trabalha, gente que vive do produto do seu trabalho, gente que vive das pensões para as quais trabalharam, isso mesmo. Gente!

 

Eu já andava escandalizado com injustiças a que foi sujeito o povo grego, com empréstimos cedidos a juros vergonhosos, quando eles andavam na escalada dos 25% e mais escandalizado ando agora, quando esses juros atingem valores de 70%! Eu sempre disse, para mim mesmo e para os meus botões que, esses usurários não deveriam receber qualquer retorno! E sempre achei que não receberão!

A Europa tem estado tão mal nos últimos anos que vai ter de perdoar mesmo os 50% aos Gregos!

Em Portugal ainda não sei como será mas sei que os nossos políticos sempre têm sido uns Zés do Telhado. Eles estendem a mão com a migalha e esperam de volta um pão inteiro.

 

No caso português, tudo começou, com muita mais actividade, com o 25 de Abril. Os militares tomaram o poder e, depois, estiveram-se nas tintas para ele e cederam a gente que de escrúpulos pouco ou nada tinham. O que havia era pouco e, esse pouco, foi desbaratado num ápice. Uns com a mania de distribuir riquezas que não haviam, e outros, com as manias vermelhas de se apossarem delas. Destruíram tudo num instante e, como não podiam fazer mais nada, viraram-se para a Europa, estenderam a mão e mendigaram.

A Europa sentiu-se infulada ao verificar que seria uma boa ideia ser ela a dar a migalha e passar, ela mesmo, a receber os pães portugueses. Não digam que não porque sabem que é verdade!

 

A Europa começou a pagar subsídios e a encher os bolsos dos tansos oportunistas portugueses, criados pelo 25 de Abril. Tu recebes isto mas não produzes nada que nós não queiramos. Foram destruídas, de vários modos, as indústrias que interessavam aos europeus, as produções agrícolas e de pescas, ... ficamos só com a tanga! Os subsídios produziram efeitos danosos! Hoje eu durmo em lençóis, chineses, paquistaneses, etç. Caminho em tapeçarias persas, turcas, marroquinas que levam muito tempo a perder o cheiro a mofo dos armazéns de onde provêm. Como maçãs americanas, chinesas, espanholas, francesas, ... visto cuecas americanas, ... até me assustei quando vi a etiqueta....

 

Sei pelo que leio e pelo que me dizem, que os chineses, indianos e muitos outros povos, vivem escravizados em fábricas de produção para que os seus países nos vendam baratos os seus produtos. Sei também que os dinheiros dos subsídios não serão eternos e mesmo que o fossem, já não chegarão para as primeiras necessidades de um povo à deriva.

 

Mas voltando ao Passos Coelho, será que hoje ainda podemos considerar o seu Governo legítimo? Ele para governar este país à deriva, ganhou as eleições em premissas que acabou por abandonar. Ninguém me garante, não há sacana nenhum que me garanta que, se o Passos Coelho propusesse aos portugueses, nas eleições, as premissas com que os governa hoje, certamente ele nunca chegaria ao poder.

Por isso, meus amigos, com tanta sabujeira política, tão mal explicada, não creio que façam uma caminhada limpa, rumo ao vosso objectivo. O que disse ao Sócrates, digo hoje ao Passos Coelho: «é muito mau, mentir em política»! Embora eu saiba que a política é, de facto, o espaço do reino da mentira! Será que é o espaço onde há lugar para todos os mentirosos ou será um espaço de génese de mentirosos? 

***********************



Sei que não há homens perfeitos mas, também sei que há uns mais perfeitos que outros. Sempre admirei Abraham Lincoln e, a sua casinha de madeira, por tudo que li sobre ele. Achava, noutros tempos, que ele seria um bom Rei do Mundo

publicado por Ventor às 17:25