O país que temos tido e o país que continuamos a ter, reflete-se nas palhaçadas dos seus políticos. Teria dito nas suas incompetências se esses políticos que têm construído as caminhadas deste país fossem, mais ou menos, homens sérios e capazes! Podiam ser sérios e incompetentes, mas não. São tudo aquilo que possam imaginar. Deixo isso convosco.

Neste caso estou a falar dos políticos que abriram uma excepção para Barrancos e para as pulhices de alguns dos barranquenhos que fazem de tudo que é miséria, uma tradição, como os touros de morte. Mas isso será tradição de alguma coisa?

Barrancos não merece um estatuto diferente daquele que rege o resto do país, quanto aos touros de morte.

Um país civilizado nunca deveria permitir, sequer, as touradas, quanto mais os touros de morte! E menos ainda, abrir uma excepção para satisfazer o capricho e o gáudio de meia dúzia de pervertidos!

 

 

Chamam-te "touro bravo" e quem o faz sabe porquê. São eles que te querem bravo e para isso enraivecem-te. São os que te enraivecem que te fazem à sua imagem porque vivem enraivecidos. Eles têm de satisfazer o seu gáudio de maldade, pois já nasceram com ela. Por isso pagam a outros para fazerem o que não são capazes porque não passam de uns cobardolas. A eles só interessa arregimentar os da sua laia para fazerem dinheiro. O Estado, o nosso Estado, alimenta-lhes a esperança de prosseguirem no seu gozo e vós, todos vós, continuais a morrer. Por vós, eu sei o que se devia fazer a toda essa gente. Quem sabe se um dia vocês chegarão a saber também!

 

Cá para mim, que ninguém me ouve, há homens que devem ter o cérebro preenchido com o produto das "bolas" que o touro transporta entre as pernas. São os que gostam de fazer sofrer os animais e lhe chamam tradição e todos os outros que tiveram o desplante de abrir uma excepção para satisfazer, por meia dúzia de votos, uma cambada de crápulas caprichosos.

 

Mas o nosso país, sempre tem sido constituído por gente dessa!

Como é que é possível que, politicamente, seja alimentada uma abencerragem dessas? Abrir uma excepção para crápulas! Em nome de quê? De uma tradição? Como é possível reconhecer tradição, numa luta desigual de touros de morte, apenas para gáudio de alguns e que apenas nos afasta do fulcro de uma civilização digna?

Não meus senhores. Não contem comigo!

 

Mas tanto ou mais que tudo isso, é os políticos constituintes do Governo actual, continuarem a abrir excepções onde elas não são merecidas. Como é possível, elevar o IVA, em produtos fundamentais para os pobres deste país, como a energia, a água e muito mais, e abrir excepções para os Espectáculos (incluindo as touradas), o Golf e sei lá que mais. Foi isto que foi publicado e eu nem quero acreditar! Se não for verdade, digam ao país. Desmintam! Depois de ler tudo isto, da excepção de aumento do IVA para as touradas, sinto vergonha pelo meu país e por homens em quem começava a acreditar. Sei que estamos numa situação difícil, tanto financeira como económica e que alguém teria de endireitar este vale de valdevinos mas assim já começo a desacreditar em tudo. Excepção para espectáculos? Excepção para as touradas?!

 

Abrir mais excepções para os crápulas tauromáquicos de Barrancos e outros? Eu nem quero acreditar mesmo! Assim, não!

Que pensar de um governo abortado? Que pensar de um governo que nos diz que vai fazer os doentes que nem têm dinheiro para remédios participar mais nos seus tratamentos, obrigando-os a morrer por falta de tratamento adequado ou por falta de pão e energia e tem o desplante de nos dizer que vai haver excepções no aumento do IVA para agraciar a pulhice da nossa sociedade!

 

Vá lá, Senhor Ministro das Finanças. Clarifique isso!

Porque, se isto for verdade, estarei em todas as linhas da frente que se irão erguer, por esse país fora, contra este governo. E podem crer que, estando eu, o mais certo, é a maioria estar! Eu costumo dizer que, se eu gosto a maioria gosta e se eu não gosto, normalmente, a maioria não gosta. E não são erros cometidos que me levam a não gostar, são exactamente coisas onde não há dúvidas nenhumas como nessa história dos IVA's.

***********************



Sei que não há homens perfeitos mas, também sei que há uns mais perfeitos que outros. Sempre admirei Abraham Lincoln e, a sua casinha de madeira, por tudo que li sobre ele. Achava, noutros tempos, que ele seria um bom Rei do Mundo

tags:
publicado por Ventor às 23:34